Foi numa apresentação amigável, próxima e segura, da Google I/O 2021 que a gigante tecnológica de Mountain View apresentou aquela que é a "maior atualização" do Android desde o Lollipop e o Material Design.

A interface

Com o nome de Material You, esta interface da Google vem responder ao que algumas fabricantes já ofereciam aos seus consumidores. A novidade? O facto de estar integrado no sistema nativo da Google e de, com esta versão, o nível de personalização ser ilimitado.

Fonte: Google

O que podemos fazer? Bem, para além de um conjunto de animações (que prometem não fazer o sistema lento), podemos mudar cada cor do sistema, dos widgets, das notificações e, até, quando mudamos o papel de parede, de escolher se queremos que as cores do sistema se alterem com base nas cores predominantes da imagem (algo semelhante ao que acontece no Windows 10). Essas cores, quer sejam as predominantes ou secundárias da imagem, serão depois aplicadas a botões, a sliders do volume, entre outros elementos. O que mais se destaca nas imagens apresentadas pela Google é o gigante relógio do ecrã de bloqueio. Algo que, consequentemente, possibilita que, quando o smartphone está bloqueado, desapareça do canto superior esquerdo, dando lugar ao número de novas notificações.

Para alguém como eu, que ama o Android pela sua capacidade de personalização, termos este controlo e liberdade é uma lufada de ar fresco para uma plataforma que atinge já os três biliões de dispositivos ativos.

Se a Apple apresentou, no ano passado, a sua primeira jornada no mundo dos widgets, foi a vez da Google dar continuidade, com novas formas e adaptabilidade dos mesmos às cores e imagens que temos como papel de parede. Isto possibilita, no geral, uma interface maior e capaz, tornando-a mais inclusiva e acessível na sua utilização.

As Notificações

Tem sido comum, a cada ano, mudanças na forma como vemos as notificações. E, quer estas mudanças sejam visuais ou de acessibilidade, o painel de notificações ficou com botões maiores. Apesar de ser algo bom, significa que se torna necessário usar mais gestos para vermos todas as definições ou notificações que queremos.

Fonte: Google

Algo retirado dos dispositivos Samsung Galaxy é a integração dos sistemas de pagamento e de controlo da nossa casa inteligente através das definições do painel de notificações. Uma mudança que vem substituir o menu secundário ao pressionar o botão de desligar. Ainda neste botão power, algo interessante e que foi acrescentado, foi a sua possibilidade de trazer o Google Assistente, uma funcionalidade já presente em diversas fabricantes.

Segurança e Privacidade

Fonte: Google

Se a Apple apresenta toda uma área que dá ao utilizador o controlo da informação fornecida a aplicações terceiras, a Google, neta versão, vai atrás do revelado o ano passado e melhora a sua apresentação e controlo. Do que falo? Bem, agora torna-se possível ter acesso, quer com o ecrã bloqueado, como desbloqueado, à informação de que sensores do dispositivo são usados.

Com o foque no sensor de microfone, GPS e câmara, o consumidor irá ver um ponto verde (ou dependendo a personalização que fizer), de que o acesso a esse sensor está ativo. Controlar isto a partir da barra de acesso rápido torna-se a novidade desta versão. No que toca à localização, torna-se ainda possível recorrer a duas novas opções: a de fornecer a localização aproximada, ou precisa. Tudo isto é acessível numa nova aba de notificações referente à Privacidade.

Android Private Compute Core

Outra das novidades (que não é nenhuma, na verdade), é um reforço de que qualquer processamento do Google Assistente, como o de saber que música ouvimos, é processado no dispositivo. Esses dados não saem do dispositivo, não sendo, como tal, partilhados ou acessados por outros. Este núcleo (core) é assim um conjunto de funcionalidades de inteligência artificial e que realçam os planos da marca em investir nas suas potencialidades no futuro.

Integração com o restante ecossistema

Não obstante o Material You vir a ficar disponível em todos os produtos Google, o Android 12 ganha também um comando remoto universal para as Android TV. Esta versão do SO apresenta ainda a possibilidade de se vir a destrancar um carro via NFC e pela tecnologia de ultrabanda (UWB). Esta última funcionalidade estará disponível em dispositivos específicos Pixel e Samsung Galaxy.

É então tudo bom?

Fonte: Google

Sim, e não. Sim, pela repaginada e personalização que o Android continua a demonstrar ter, mas não, visto que grande parte destas alterações só se irão manifestar "naqueles três biliões de dispositivos ativos" se as fabricantes alinharem na brincadeira.

Não posso deixar de concluir ao refletir a importância desta personalização do sistema ser algo tão profunda. Não só  possibilita smartphones únicos, como leva a que futuras "guerras"  entre as diferentes interfaces de utilização das fabricantes Android, desapareçam.