Como todos sabemos, a Sala Oval da Casa Branca em Washington, D.C. é conhecida, entre outras coisas, como sendo o escritório oficial do presidente dos Estados Unidos.

Sabe-se agora que a presidência de Joe Biden solicitou à NASA um exemplar de uma rocha lunar para expor numa prateleira na Sala Oval.

Segundo o Washington Post, a rocha tem o propósito de "lembrar os americanos da ambição das gerações anteriores".

Já no tempo da administração de Bill Clinton existiu um exemplar de uma rocha lunar na Sala Oval, que o próprio admitiu ter ajudado a resolver disputas entre líderes mundiais. Para além disso, Clinton referiu ser um ótimo desbloqueador de conversa.

Como referi acima, a rocha faz parte do espólio da NASA e foi recolhida na missão Apollo 17 em 1972, conforme se pode ler na inscrição que acompanha o exemplar.

Amostra de um dos exemplares em posse da NASA
"O astronauta Ronald Evans e os moonwalkers Harrison Schmitt e Eugene Cernan da Apollo 17, os últimos humanos a pisar a lua, lascaram esta amostra de uma grande pedra na base do Maciço Norte, no vale Taurus-Littrow a 3km do Módulo Lunar. Este pedaço da Lua de 332 gramas, recolhido em 1972, é um exemplar com 3,9 mil milhões de anos formado no momento do último grande impacto na superfície lunar, na cratera Imbrium, que tem 1145 km de diâmetro. A amostra tem superfícies irregulares com pequenas crateras criadas por impactos de micrometeoritos que atingiram a rocha durante milhões de anos. As partes planas foram criadas no Laboratório de Curadoria Lunar, quando partes foram cortadas para investigação científica. Esta investigação contínua é importante para continuarmos a aprender acerca do nosso planeta e da Lua, preparando futuras missões à órbita lunar e mais além."

Há poucas amostras deste tipo em todo o mundo, por isso, em tom de piada, podemos afirmar que Joe Biden é um homem com bons contactos na NASA.